O não Democrático mundo das Corridas …

Hoje com todo o conhecimento adquirido em minha inúmeras provas das quais participei, posso afirmar que ser corredor de rua, não é algo tão simples como eu mesmo já afirmei há mais de seis anos atrás, onde naquela época de “inocência” correr seria tão somente usar um conjunto composto por, qualquer par de tênis “Kichute para dar aderência”, camiseta de algodão com o logo do deputado, meias de algodão e shorts “jeans”, enfim tudo aquilo que não se usa nem para dormir, a não ser que você queira um divórcio ou dormir muito mau.Mas hoje em dia com toda a experiência adquirida e com a troca de informações com outros corredores e com cada vez mais acesso a novas tecnologias divulgadas por grandes marcas em revistas especializadas e na web, fui evoluindo na busca de melhores resultados pessoais e por consequência tive minha saúde e auto estima melhoradas no mesmo ritmo, e a equação deste dito “democrático” estilo de vida saudável está cada vez mais segregado e elitizado.

Democracia na Corrida

E algo que cresceu no mesmo ritmo que o número de atletas foi o preço das inscrições, onde em 2006 quando comecei a correr cheguei a pagar R$25,00 por uma inscrição e hoje em dia o custo médio de um inscrição é de R$ 90,00, em pouco mais de seis anos tivemos cerca de 300% de aumento no valor das inscrições, algo que segrega quem pode participar se levarmos em conta que o salário mínimo é de R$ 678,00 ou seja pagar uma prova de R$90,00 representam 14% do salário de um assalariado que quer correr e a conta não termina por aqui;

O preço de Correr

Se incluirmos nesta conta cinto de hidratação, Gel de Carboidrato, os suplementos como BCAA, Glucosamine para articulações, Termogênicos, Isotônicos e outras bebidas energéticas, veremos que a “Democracia” da corrida está se tornando algo apenas para os mais afortunados.

 Em certa ocasião enquanto aguardava a largada em uma das edições da Zumbi dos Palmares da Corpore, acabei por conhecer uma equipe que vinha do extremo leste de São Paulo, eles tinham chegado até a região do Ibirapuera após uma verdadeira odisseia dentro de ônibus, trem, metrô e ônibus, e diziam que para eles já estava começando a ser impeditivo os altos preços de inscrições somado a tudo que eles tinham que fazer uso, sendo que naquela equipe o mais lento corrida para 4:10 por km, e usava um tênis velho e surrado, para fazer bonito.

Podemos sim até afirmar que o princípio de um corredor pode ser básico, um tênis, shorts, meia de algodão e uma camiseta básica, mas com a evolução e como o conhecimento, a tendência do investimento é de apenas crescer, para evitar lesões, ter conforto e até mesmo para se sentir incluso dentro de um grupo cada vez mais elitizado e muito menos democrático.

Ótima semana a todos e Sucesso Sempre !!!

 

5 Comentários para O não Democrático mundo das Corridas …

  • Irene Lima  says:

    Isso me fez lembrar de uma menina que se destacou na São Silvestre, no final dos anos 80 (acho), por correr descansa… Hoje vivemos um momento em que ” o importante é a vitrine e não o que tem dentro”…só não paramos para pensar que um bom rendimento é fruto, em grande parte, da genética de cada individuo e de como esse dom será trabalhado, todo o resto só vem a acrescentar no conforto, mas não faz milagres. Ter o tênis de ultima geração não é credencial para ocupar a elite nos grandes eventos de corrida, aliás esses eventos tem focado cada vez mais nesse consumidor amador, que não se importa em pagar o quanto for por assesssórios modernos e inscrições cada vez mais abusivas!!

  • Adolfo Neto  says:

    Um corredor pode ser básico da seguinte forma:
    a) correndo descalço (eu corro)
    b) shorts simples. Já comprei alguns por 20 reais.
    c) camiseta básica. Já comprei algumas por 10 reais.

  • Eduardo Acacio Silva  says:

    Sem dúvidas eu mesmo já comprei tênis baratinho mas eficiente, roupas sem grife e por ai vai, mas com o passar do tempo percebi que aquele tênis mais caro te trás o resultado prometido, mas minha analogia gira em cima do ponto, onde o consumismo, altos preços de inscrições e a moda estão tomando conta das provas.

    Obrigado por sua visita e pelo seu comentário … Sucesso Sempre fera !!!

  • Hyldon Herbert  says:

    Entendi o seu raciocínio mas discordo da essência.
    Corrida de rua é um dos esportes mais barato que há, senão o mais barato.
    Alguém para correr bem, competir, buscar melhoria na saúde pelo esporte, disputar consigo mesmo em busca de melhores resultados não precisa de muita coisa.
    Aquele que começou agora precisa de um bom tênis para proteger suas articulações, 300,00, e o restante é o que já tem. Um short, camiseta e meia.
    E é um esporte que não depende de outras pessoas, de horário, de lugar, etc.
    Agora sempre há aqueles que querem ter a experiencia de correr corridas com muita estrutura, aqueles que querem equipamentos que tem sua importância, porém não é essencial e também há aqueles que querem mostrar que os equipamentos dele é melhor, que buscam status. E isso tudo tem o seu preço, e é um preço justo para atender a estas necessidades supérfluas.
    Tem que se lembrar qual é o objetivo da corrida e o que é preciso para atingir este objetivo.

  • Daniel X.  says:

    Sempre fui um corredor simples. Com o tempo fui incluindo alguns itens, como meia de compressão, cinto, e por último, o frequencímetro. Mas foram casos de necessidade mesmo. Não porq são itens indispensáveis, mas porq sou indisciplinado, e esses itens ajudam a compensar essa indisciplina e boçalidade que marcam meu estilo de correr.

    Mas concordo que um corredor pode ser simples, correr descalço, evitar eventos caros, e usar roupas simples. Basta não se deixar levar pela moda.

    Ótima matéria!

Deixe seu comentário ...